analytics

terça-feira, 16 de outubro de 2018

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Você não pode vir na Marzan Pesca ??
Não tem problema a Marzan Pesca vai ate você..
Logo mais, alem da nossa loja virtual estaremos nos principais pesqueiros da cidade com a nossa loja itinerante..
E isso mesmo a Marzan Pesca resolveu estreitar os laços com seu publico e vamos ate onde o pescador esta, com todas as promoções e produtos de primeira linha na beira do lago.😮😉😀
E fechamos varias parcerias na pesca trade show para incrementar essa ideia.. Aguardem e acompanhem
Em breve loja Marzan Pesca nos Principais pesqueiros da cidade....
ahh... a antes que eu esqueça a loja 2 ja esta em montagem e em breve vamos inaugurar na Av. Inajar de Souza - Freguesia do O - a nossa LOJA 2.
MUITAS NOVIDADES POR AI ..
s

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Dicas para Pesca com Cevadeiras



Este guia destina-se a iniciantes da modalidade que do meu ponto de vista é um dos mais eficientes para captura dos maiores peixes em pesqueiros do tipo pesque e pague, pode ser usada para capturar diversas espécies sendo que as mais cobiçadas são os peixes denominados "redondos"(pacus, tambaquis, tambacus e patingas), porém é muito eficiente na pesca de outras espécies de peixes tais como carpas, cacharas e tilápias.
Sei que já existe muitas informações dispersas na internet, porém resolvi escrever e reunir aqui para facilitar a leitura e aprendizado aos que querem iniciar, mas vamos ao que interessa:




Pesqueiros: Existem inúmeros pesqueiros espalhados neste nosso país, a pesca com cevadeiras é eficiente apenas para espécies de cativeiro ou seja de lagos artificiais e naturais (pesqueiros de pesque e pague), uma vez que a isca utilizada é a raçao dada como alimento para os peixes ou iscas que imitam estas raçoes. Podemos citar aqui em São Paulo diversos pesqueiros famosos para a pesca nesta modalidade, sendo as que eu considero mais produtivas, não nesta ordem, mas como referência na captura de grandes redondos:

Pesqueiro Taquari: Localizado em São roque, dispensa comentários pelo seu belo lago e enormes exemplares de tambacu entre outros peixes;

Pesqueiro Tio Oscar: Outro pesqueiro antigo e famoso, localizado em Mairinque/ Itu, considero o pesqueiro com os maiores exemplares de tambacu, justamente por ser um pesqueiro bem antigo;


Pesqueiro 3 irmãos: Grande point no inverno, localizado em Itariri proximo a peruibe, possui açao de redondos o ano todo, mesmo no inverno, a temperatura do local raramente cai abaixo de 14 graus, devido a altitude do pesqueiro a nível do mar, os peixes são mais fortes e brigadores do que em outros pesqueiros de são paulo;

Pesqueiro Matsumura: Outro velho e bom pesqueiro localizado em parelheiros, possui um grande lago que proporciona enormes arremessos;

Pesqueiro Kobayashi: Localizado em mogi das cruzes, possui um grande lago e ambiente familiar.

Citarei apenas estes 5 pesqueiros que conheço os lagos, porém existem diversos outros pesqueiros tão bom (ou melhores)do que estes : Corrego das antas, Maeda, Pantanosso, Lago azul em mogi guaçu, 2 palmitos, feroz, lagoa dos patos e etc.........

Material de pesca:

Varas: As varas ideais são as que proporcionam um arremesso longo, devem necessariamente ter um casting (capacidade de lançar iscas) elevado, pois frequentemente o conjunto de cevadeira pesa entre 50~100 gramas.As varas geralmente informam o casting ou Lure em OZ (onça) sendo que a equivalencia aproximada é de 1 OZ= 30 gramas. O comprimento das varas nao importa, desde voce consiga fazer um bom arremesso. Existem varias varas que servem para a modalidade, consulte o pessoal da Marzan Pesca que o pessoal vai te orientar, cabe também ao pescador verificar qual atende a sua necessidade.

Linhas: Existem linhas monofilamento e multifilamento, sendo que cada uma tem a sua vantagem e desvantagem. A escolha de uma ou outra engloba diversos fatores, inclusive o financeiro. Tenho preferência pela linha de multifilamento pela sua menor espessura e uma fisgada mais seca e rápida.

A referência que utilizo e julgo como ideal para a modalidade são as de linhas de 30 a 40 libras/lb (1 lb equivale a mais ou menos 450 gramas). Utilizo a linha de 40 Lbs/0,28 pelo fator resistência durante o arremesso, ela raramente se parte durante o arremesso.



Chicote: Além da linha principal, na modalidade cevadeira utiliza-se um chicote de monofilamento ou fluorcarbono, o diâmetro da linha varia entre 0,30 a 0,50 mm. Prefira os chicote feitos por linha transparente, pois quando mais invisível for para o peixe, mais eficiente é.





Carretilha ou Molinete: O ideal para a modalidade na minha opinião é a carretilha, devido principalmente a facilidade de travamento da linha durante o arremesso, na pesca com cevadeiras arremessar no ponto certo é importantíssimo, muitas vezes até mais importante do que a isca utilizada, porém molinetes podem ser utilizados sem problema algum...conheço exímios pescadores de cevadeira que utilizam o molinetes, sem perder precisão de arremesso.Para pesqueiros a minha escolha é por carretilhas de perfil baixo que comportem pelo menos 120 mtrs de linha. Muitas pessoas perguntam se não é melhor usar carretilhas de perfil alto, ou que comportem mais linha, usar carretilhas com maior capacidade de linha não prejudica em nada na modalidade, porém possui o fator peso !! Estamos falando em arremessar 70 gramas por pelo menos 50 metros o dia inteiro, isso dá pelo menos 200 arremessos, as vezes precisamos arremessar 70-80-90 metros para chegar no peixe. Só quem já pesca nesta modalidade sabe como é importante o equilibrio do conjunto de vara+carretilha, por isso peso da carretilha é importante..seu braço/ dedo e ombro vai agradecer no fim da pescaria.



Anzol: Não existe um anzol específico para a pesca com cevadeira para redondos, os mais utilizados são o Chinu tamanho 6,7 e 8, Maruseigo tamanho 18 e 20 e o de robalo 1/0 a 3/0 (anzol tipo wide gap) (respectivamente os modelos nas fotos). Costumo usar os maruseigos tamanho 18 e 20, niquelado ou preto, uso também os anzois do tipo "Robalo" tamanho 2 e 3. Diversos outros anzois podem ser usados. Dê preferencia aos de boa marca e com resistência comprovada, não é raro o anzol voltar mastigado ou até mesmo ser cortado durante a briga com o redondo. O Uso do cabo de aço é desaconselhável por inibir os ataques de peixes, prefiro mil vezes perder um anzol do que perder uma fisgada, Varia muito do pesqueiro e dia a escolha da cor de anzol, via de regra quando menor o anzol maiores são as chances de açao, porém mais arriscado de perder o peixe por entortar o anzol ou cortar o mesmo com mais facilidade, neste caso deve se regular muito bem o drag da carretilha, soltando a frição.





Ceva: Usamos como ceva a raçao dada para os peixes, ela é conhecida também como Guabi, existem diversas marcas, e são próprios para peixes.Podemos usar a Guabi como isca, sendo que ela pode ser preparada amolecendo na pinga ou vodka, existem diversos tutoriais ensinando como faze-la, é uma das iscas mais eficientes para a modalidade, aconselho usar um atrativo também muito eficiente veja:




Boias cevadeiras: Para a boia cevadeira existem diversos tamanhos de copos e pesos diferentes, as mais utilizadas pesam entre 45 e 60 gramas. Coloca-se a ceva no copo da cevadeira e arremessa o conjunto, a boia em contato com a água vai flutuar na parte superior, liberando a ceva para atrair o peixe.




Boinha: Boia para visualização de fisgada do peixe, o uso dela é opcional, mas é muito importante para identificar a profundidade que o peixe está se alimentando além de visualizar o momento da fisgada, o tamanho mais utilizados é o 3, porém outros tamanhos podem ser utilizados também. Uma dica quando já souber a altura que os peixes estão se alimentando é amarrar uma linha direta na cevadeira com a profundidade do chicote, esta montagem é muito útil principalmente nos dia com muito sol, quando fica difícil a visualização da boinha. Eliminando a boinha a identificação da fisgada é feita visualizando a própria boia cevadeira.




Montagem: A montagem tradicional é amarrar um chicote no girador da boia cevadeira, este chicote tem geralmente 3 metros de comprimento, deve se colocar uma boinha para identificação de fisgada e regulagem de profundidade (uso opcional), finalizando com anzol amarrado na ponta da linha.O uso de EVA é opcional, o EVA ajuda a flutuar a isca e deixa-la a flor d'água nos dias que os peixes estão muito ativos e alimentando na superfície. Usei uma linha fluorescente e chicote curto para facilitar a visualização.







EVA: O EVA é uma espuma rigida que ajuda na flutuabilidade da isca, pode ser de várias cores, tem dias que o peixe é seletivo quanto a cor e a utilização da mesma na montagem.





Miçangas: Sao as iscas plásticas que imitam a ceva dada aos peixes. Não existe uma cor certa a ser utilizada, o peixe é muito seletivo quanto a cor quando estão manhosos, sendo que o grande desafio é achar a cor e montagem certa. Caso acerte é um peixe atrás do outro.A montagem pode mudar muito no decorrer do dia, sendo que o pescador deve buscar uma nova montagem caso não tenha sucesso nas açoes. Utiliza-se muito também os coquinhos, caroços de azeitona entre outros.





Outras tralhas: Na pesca de tambas alguns itens são fundamentais para uma boa pescaria, tenha se possível nas tralhas um bom alicate de bico longo para retirada do anzol, os redondos possuem mandíbulas e dentes muito fortes, tenha também palito de dente para travar o EVA na altura desejada, guarde também alfinete para espetar na cevadeira para ajudar no arremesso de iscas que não sejam a miçanga ex: Pão, salsicha e beijinho.

Se puder tenha uma câmera fotográfica para registrar a pescaria.... quem sabe não sai o tão cobiçado troféu não é mesmo ?? Tenho certeza que você vai se odiar se não tiver câmera para registrar o tamba de 25 kilos .

Repelente também não pode faltar além de protetor solar e um boné ou chapeu de pesca. Óculos polarizados podem ajudar na visualização da boia quando houver muito reflexo na água.





De resto é muito treino e dedicação, vai perceber que a pesca com cevadeira é muito dinâmica, pois força o pescador a ser técnico quanto ao arremesso certeiro e a buscar a montagem e cor da miçanga "matadeira". Espero ter ajudado aos que iniciam na modalidade. Sugestões e informaçoes complementarem devem ser postadas, uma vez que a idéia do post é de ser o guia definitivo para a pesca com cevadeiras.

As marcas de material de pesca utilizados nas fotos são as que comercializamos, e em nenhum momento quero dizer que são as melhores ou mais adequadas a modalidade, são apenas marcas e opções a serem consideradas. Cliques nas fotos para consultar os preços.


Ótima Pescaria para todos

x

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Carretilhas ou Molinetes ?


Rivais ou companheiros? Para nós pescadores, o importante é que tanto os molinetes quanto as carretilhas, desde a sua invenção, desenvolveram-se e evoluíram de uma forma impressionante, ficando cada vez melhores.

Acredita-se que os molinetes tiveram a sua origem na França por volta de 1870, e as carretilhas surgiram na Inglaterra no século Dezessete.
Hoje, o pescador tem à sua disposição equipamentos fabricados com a mais alta tecnologia, desde os modelos “micro”, destinados à pesca ultra leve, passando por carretilhas elétricas usadas na pesca vertical no mar, molinetes e carretilhas construídos em titânio ou em ligas de aços especiais, até as grandes carretilhas para pesca oceânica, todos facilmente encontrados em lojas de pesca e na internet.

Era comum pescadores radicalizarem suas opiniões, dizendo só usar carretilhas (principalmente para pesca pesada), por acreditarem ser o molinete frágil e não confiável, e pescadores adeptos da pesca com iscas artificiais usarem somente molinetes, pela dificuldade de arremessar iscas mais leves com as carretilhas, evitando assim as terríveis “cabeleiras”.  Hoje em dia, posso dizer que tecnicamente os molinetes com chassi rígido (titânio, aço inox ou alumínio), com fricção dianteira, e trava com anti-reverso contínuo, são tão resistentes e confiáveis quanto as melhores carretilhas.  Em contrapartida, as carretilhas de perfil baixo, dotadas de freio centrífugo ou magnético, tornaram-se as preferidas na pesca com iscas artificiais, pela precisão que proporcionam nos arremessos e pela comodidade e leveza.

O molinete arremessa com facilidade iscas mais leves. Quando a pescaria é realizada em locais onde as distâncias para os arremessos são muito curtas, como em pequenos rios ou córregos, esse equipamento leva vantagem.  Outro ponto positivo do molinete é que no momento em que a isca cai na água, a linha pára de sair, evitando a “cabeleira”. A carretilha serve para arremessos mais longos e precisos. A linha não torce com facilidade e sofre menor atrito nos passadores.

Carretilhas ou Molinetes ?

Não existe o melhor ou o pior equipamento e sim aquele que se adequa para cada tipo de pescaria e para cada pescador.

Aos iniciantes na pesca é aconselhado o uso de molinetes por seu fácil manuseio e rápida regulagem. Já para os mais experientes a carretilha é um passo a mais, pois requer um pouco mais de conhecimento sobre o equipamento e de como regular cada item, freios, fricção entre outros.

Veja no quadro a seguir as vantagens e desvantagens entre a carretilha e o molinete.




Pontos positivos e negativos de cada equipamento

O molinete não tem segredos e seu uso é simples. Já a carretilha requer um conhecimento maior.

A carretilha serve para armazenar a linha e auxiliar no arremesso e no recolimento.

A preferência por esse tipo de equipamento se justifica pelo fato das carretilhas serem mais precisas nos arremessos que os molinetes, principalmente com iscas artificiais, permitindo ao pescador que coloque a isca exatamente no local desejado.

É muito importante que o conjunto vara/carretilha seja equilibrado, ou seja, que a vara seja adequada ao tipo, modelo e tamanho da carretilha.

Conheça agora alguns tipos de carretilhas de ação leve até extra-pesada.

Carretilha - Leve

Usada com pequenas iscas artificiais, jigs,  pequenas bóias de arremesso. Ideal para pesca de pequenos peixes ou onde a bitola da linha não tenha que ser superior a 0,30mm.


Carretilha - Média

A carretilha de ação média é uma das mais usadas em todo o mundo, principalmente para a pesca com iscas artificiais. Em pesqueiros é um dos modelos mais usados também e com capacidade de linha ideal para a maioria das espécies em pesqueiros, variando de 0,28mm a 0,45mm.



Carretilha - Média-Pesada

A Média-Pesada também é outro equipamento muito usado na pescaria de corrico e em pesqueiros, na pescaria dos peixes de couro, tendo uma boa capacidade de linha entre 0,45 a 0,55mm


Carretilha - Pesada

As carretilhas pesadas são muito usadas em pescarias na Amazônia, Araguaia e Mato Grosso em busca dos gigantes peixes de couro e em alguns pesqueiros atrás das pirararas que podem chegar a mais de 50kg. Usada sempre com bitolas de linha superior a 0,60mm.


Carretilha - Extra-Pesada

Essas carretilhas extra-pesadas são usadas em pescas oceânicas e comportam linha superiores a 0,90mm.

Portanto, antes de comprar sua carretilha veja bem o tipo de pescar a ser feita. Eu acho mais interessante para quem quer começar a usar carretilhas, comprar um equipamento médio.


Carretilha ou molinete, qual é o melhor equipamento? Este debate persiste por anos, porém ambos têm suas vantagens e desvantagens. Cabe ao pescador saber tirar proveito do melhor que cada um pode oferecer. Portanto, quando você for pescar, não se intimide: leve os dois equipamentos, use-os da melhor forma e divirta-se!




sábado, 7 de maio de 2016

Pescaria No inverno




Olá amigos pescadores,


          O inverno está chegando, a partir do dia 20 de junho oficialmente daremos boas vindas a estação mais fria do ano e como não conseguimos esperar até setembro a primavera chegar, venho trazer algumas dicas de pescarias para esta época.






       A maioria das espécies de peixes são mais ativas e se alimentam mais no verão, com a chegada do frio os peixes ficam mais lentos, manhosos, se movimentam pouco e comem menos.

      A melhor opção pra não pegar só gripe com o frio na beira dos rios, lagos ou represas é ir a caça das espécies que se adaptam melhor a esse tipo de clima, como as Carpas, Bagres, Trutas, Tainha e o Black Bass que é um peixe super esportivo.

Vamos as dicas então.


Black Bass:



     No Inverno, a chance é maior de capturar esse peixe nos leitos dos rios, pois procuram por uma zona térmica mais confortável. A dica é utilizar iscas naturais, porque os peixes estão mais lentos e não dispões de muita energia para se alimentar atacam a isca por sua apresentação mais natural.

Truta:


      Dá para tirar bastante proveito da pesca desse peixe nas temperaturas dessa época, o melhor lugar para pescar trutas são as regiões montanhosas. 

     Somente as regiões montanhosas e frias oferecem condições de procriação. A maior disseminação se encontra na Mantiqueira, em pequenas cidades do Sul de Minas, vindo a seguir os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina, sempre em regiões com mais de mil metros de altitude e temperaturas inferiores a 20° C. Mais que isso, o peixe não suporta. (fonte:http://www.pesca.sp.gov.br/destaque.php?id_destaque=705)

     A dica é usar fly, mas quem não é adepto desta modalidade também pode lançar mão do uso de spinners e molinetes.

 Carpa:





     A carpa também é outro peixe que fica mais ativo quando as temperaturas variam entre 15º C e 17ºC. Para a pesca dessa espécie a dica é ter paciência e usar massa que pode ser caseira ou industrializada, própria para carpas. Outra dica é fazer uma ceva num local para atraí-las.


Tainha:



     O inverno é a época própria para a captura dessa espécie, se a pesca for feita em barrancos a dica é procurar por margens mais fundas. Este peixe é encontrado em manguezais, estuários, entrada de canais, rios e lagoas que se ligam ao mar.


     Já para o uso de iscas artificiais a dica é usar as iscas de fundo, pois os peixes ficam em maiores profundidades onde a água demora mais pra esfriar que na superfície, permanecendo com a temperatura mais alta, as iscas também devem ser trabalhadas de maneira mais lenta, já que os peixes ficam menos ativos.


     Se for pesca embarcada, uma dica é o uso de um sonar, que mostra estruturas em locais mais profundos onde os peixes costumam ficar escondidos aguardando as presas, também marca a profundidade e temperatura da água. Mas o sonar será assunto para um próximo post aqui no blog.

Mesmo com o frio vale a pena curtir uma agradável pescaria com amigos e familiares.

Espero que tenham gostado das dicas.

E vocês, o que vão pescar neste inverno?

Veja nossos kits de pescaria que com certeza vão te ajudar muito nas próximas pescarias e sempre tem alguma coisa faltando nas nossas tralhas. Temos vários diferentes De uma olhadinha clicando na imagem abaixo.



agradecemos a todos os leitores e aguardem vem muito mais artigos interessantes por ai